11 de mar de 2012

Arte contemporânea e o artesanato....opostos, iguais, divididos??


Arte contemporânea e o artesanato.

Vamos falar um pouco de arte e artesanato e onde eles “se dividiram” no decorrer da história.

Nos primórdios Pré-história e Idade Média os “artistas” eram simplesmente trabalhadores  como quaisquer outros chamados de artesãos contratados e pagos pela igreja para informar a história para a maioria do povo que não sabiam ler e nem escrever. Os escravos também que produziam arte dependendo da cultura da região.
Nesta época os artesãos não tinham nomes, não assinavam seus trabalhos, não tinham prestígio nem reconhecimento embora produzissem maravilhosas “obras de arte” em todas as vertentes.
No Renascimento a arte se tornou autônoma, saiu das paredes das catedrais e castelos, passou ter um suporte e também ser assinada pelos artistas, surge a tinta à óleo e a pintura em tela. O artista deixou de ser funcionário da Igreja e com sua autonomia era contratado para pintar conforme o que era solicitado. Embora ainda uma arte nos moldes da época, mas, tinha certa expressão. Os estudos de observação de espaço e perspectiva se consolidaram, a pintura passa ter planos, ponto de fuga, a proporção áurea volta ser estudados e aplicados, conceitos da matemática, da alquimia, a obra passa ter peso e medida.
Ao longo de poucas centenas de anos, contados a partir dos primórdios da Renascença até o  final do século XVIII, a arte se tornou uma atividade especial, posto que destinada somente à contemplação estética. 
Em contrapartida, todas as outras esferas da  produção  de objetos passaram a ser associadas  ao  mero  atendimento das necessidades de nossas vidas concretas e de nossa rotina diária (artesanato). 
O novo conceito de arte que emerge no final do século XVIII só é possível a partir da ênfase nessa distinção funcional entre os utensílios dos quais nos servimos em nosso cotidiano (objetos utilitários/corpo) e os objetos apenas contempláveis (obras de arte/alma).
A Renascença marca o começo do fim do mundo teocrático medieval europeu, o Iluminismo demolirá os seus últimos vestígios, pois lança os fundamentos da vida secular burguesa nos níveis econômico, político, teórico-científico e artístico-cultural. É impossível compreendermos o mundo moderno e a crise atual dos valores por ele legados sem que nos remetamos ao Renascimento e  ao  Iluminismo.

Segundo Larry Shiner[i] o período onde a arte se separa do artesanato está de 1750 a 1800, marca o período no qual a arte se separa definitivamente do artesanato; o artista, do artesão e o estético, dos outros modos de experiência.
A partir da separação entre a arte e o artesanato, tendências deram lugar à volta da figuração.

Durante esse período o termo arte começou a significar um domínio espiritual autônomo, a vocação artística foi santificada e o conceito do estético começou a substituir o gosto.
No século XIX o artista deixa de atender a encomendas e passa a criar, se expressar como lhe convir, muitos movimentos artísticos surgem se entrelaçam, se contestam.

Após muitos desdobramentos ocorridos, nas décadas de 1950 e 1960 a arte tomou rumos onde o conceito é mais importante do que a própria arte, a arte contemporânea veio e  os estilos artísticos passaram a ser apropriados pelos artistas onde cada um promove sua intervenção.
A arte contemporânea veio também com a proposta que tudo faz parte de tudo e a ideia de divisão incoerente, pois a arte está cada vez mais próxima da vida cotidiana, um bule tem design pode ser peça de decoração e fazer parte de uma composição artística contemporânea.
Os museus e galerias abriram suas portas e a arte interage com o expectador, nas bienais vemos de tudo, desde a expressão mais profunda da arte, projetos com conceitos, técnicas artesanais envolvidas com a arte e outras tantas banalidades sem conteúdo. Novos artistas surgindo a todo instante, mas diante de tudo isso, a clareza na interpretação do conceitual contemporâneo é vital para que a arte continue evoluindo e porque não com uma abertura antes nunca visto ou imaginado.

Angela Motta Tocacelli




Fonte para auxílio de texto:
O Espaço da Arte contemporânea: Fernando Cocchiarale (Prof. Da PUC e Curador do MAM- RJ)


[i] Larry Shiner.La invención del arte, una historia cultural. Barcelona-Buenos Aires-México:
Ediciones Paidós Ibérica, S.A., 2004, p.129.







Podemos chamar de Arte??


Máscaras em papel, é arte??


                        Op, art no computador....
É arte??









                                                               Marcador de Pintura....   







 Aquarela....












     Lápis Aquarelável...






 Nanquim...






 Lápis 6B....








Guache....



ilustração....é arte??



Fonte de desenhos e ilustração:
Angela Motta Tocacelli.
  

26 de fev de 2012

Artesanato


O que é artesanato?

Artesão+nato = artesanato

É uma técnica manual utilizada por um profissional individual chamado  Artesão, é um tipo de arte que não precisa de fundamentação teórica, conceitos, explicações, expressões como nas artes plásticas, mas requer muita criatividade e beleza para atrair seus consumidores.
É um ofício que é transmitido de pai para filho e existem famílias inteiras que sobrevivem apenas do artesanato regional.

Podemos dizer que:
"Artesanato é a atividade predominantemente manual de produção de bens no qual se admite a utilização de maquinas ou ferramentas, desde que não dispensem a criatividade ou a habilidade individual e de que o agente produtor participe, diretamente, de todas ou quase todas as etapas da elaboração do produto."  
 O artesão vive de sua arte, e vende em bazares e feiras de artesanatos espalhados por todas as regiões do Brasil, porém a maior concentração de artesãos está na região nordeste, principalmente no sertão da Bahia, Ceará e Pernambuco onde temos mestres artesãos conceituados.

Por ser um trabalho bastante apreciado, as feiras artesanais fazem muito sucesso entre os consumidores. Há muitas feiras de artesanato famosas, entre elas estão: as de Feira de Santana, Sobral e Caruaru. 

Origens:

Nos achados arqueológicos consta que o artesanato está presente desde a Pré-história. Os homens desta época faziam peças utilitárias como cestos, ferramentas, vasos de cerâmica, faziam também roupas, esculturas e outros objetos utilizando as mãos como ferramenta e os recursos da natureza como matéria-prima.

O artesanato indígena é de extrema beleza e de grande valor artístico, pois representa a expressão cultural do povo indígena brasileiro.


O artesanato foi e é um dos maiores responsáveis pela "contação" da História humana, pois muitos povos deixaram registrados em suas peças seus costumes em forma de desenhos, hieróglifos e escrita, proporcionando aos estudiosos descobertas maravilhosas e fundamentais de nossos antepassados.

Bauhaus (1919 – 1933)

Bauhaus


Esta famosa escola alemã estabeleceu os conceitos do design funcionalista e da didática desta nova atividade.

Arte e Artesanato, Artista Plástico e Artesão uma linha tênue...

Fundada com a missão de promover a união entre a arte e a técnica, apresentou nos seus primeiros anos de funcionamento uma orientação mais individualista, valorizando a expressão pessoal do artista na concepção do produto e sua função.

Associou Técnicas artesanais, arte e design para criar objetos funcionais em larga escala (industrialização).

Mais que uma escola, fundou um centro de cultura que tem como objetivo a integração do ensino à indústria, superando a oposição entre trabalho manual e intelectual, arte e artesanato, arte e indústria. Funcionando como um laboratório de ideias em relação à arquitetura, artes plásticas, artes gráficas, desenho de móveis e objetos domésticos, procurando conciliar o artesanato e o avanço tecnológico.

Na Bauhaus o artesanato foi utilizado com uma função pedagógica, como um aprendizado pelo fazer. Abrindo-se para um programa que prevê o conhecimento de todos os instrumentos de trabalho e de todo o processo produtivo, desde a compreensão dos materiais, observação das formas e texturas da natureza, até o projeto e execução dos objetos.
Fechada pelos Nazistas em 1933, a Bauhaus prolongou-se na obra de arquitetos e designers de móveis de grande aceitação pela indústria e pelo público da época e que até hoje constituem padrão de referência do mobiliário do século XX.

Mas este é um assunto que veremos onde falarei de Design...

''Arquitetos, escultores, pintores, todos devemos retornar ao artesanato, pois não existe “Arte Profissional”. Não há nenhuma diferença essencial entre artista e artesão. O artista é uma elevação do artesão, a graça divina, em raros momentos de luz que estão além de sua vontade, faz florescer inconscientemente obras de arte, entretanto, a base do “saber fazer” é indispensável para todo artista.''
 Walter Gropius (Manifesto-Weimar Abril, 1919).

- No dia 19 de março é comemorado o Dia do Artesão.

 fonte:

11 de fev de 2012

Inclusão Social - Artes e Artesanato com Idosos.



  Desenvolvo um trabalho de Artes e Artesanato com idosos acima de 60 anos e a comunidade, onde o objetivo principal é estimular o interesse pelas artes como importante meio de expressão e comunicação, valorizando a autonomia, senso crítico e criativo do sujeito.
  Os idosos participam de Bazares para expor e vender seus produtos que antes era tímido mas com a experiência adquirida ao longo de 4 anos de dedicação foi tomando corpo e acredito está forte e muito bom, tanto no artesanato como na pintura em tela.

Aos poucos vou apresentando este trabalho tão bom e gratificante para mim.







São alguns trabalhos executados pelos alunos no ano passado.


O trabalho está ficando tão bom, que houve uma exposição no CEU São Carlos, ZL e um dos trabalhos foi premiado.

Parabéns para todos os alunos!!


Pilão estilizado, tirado do natural.




Fundo com técnica escorrida.


Mão da própria aluna.


Falso Cubismo


Neste trabalho foi feito estudo de desenho antes da pintura.



 "Quando falamos de Seres Humanos, gente, pessoas, indivíduos, alunos: nós professores precisamos ficar atentos para as capacidades e necessidades individuais de cada um. Não é fácil, mas muitas vezes eles estão lá solicitando em gestos, calados ou até mesmo em palavras nem que seja um olhar."

Próxima postagem artesanato, não percam!!








2 de fev de 2012

Artes e Design


Design de Interiores

É a arte de planejar e arranjar ambientes de acordo com padrões de estética e funcionalidade. O profissional harmoniza, em um determinado espaço, móveis, objetos e acessórios, como cortinas e tapetes, procurando conciliar conforto, praticidade e beleza. Planeja cores, materiais, acabamentos e iluminação, utilizando tudo de acordo com o ambiente e adequando o projeto às necessidades, ao gosto e à disponibilidade financeira do cliente. Administra o projeto de decoração, estabelece cronogramas, fixa prazos, define orçamentos e coordena o trabalho de marceneiros, pintores e eletricistas. Pode projetar salas comerciais, residências ou espaços em locais públicos. Esse profissional costuma trabalhar como autônomo, mas pode atuar também como funcionário de empresas especializadas em decoração e design de interiores ou, ainda, como consultor em lojas de móveis.

O curso
Há poucos cursos de bacharelado no país. É grande a ênfase na parte prática, com atividades a mão livre e o uso de recursos da informática. Boa parte da carga horária é dedicada ao desenvolvimento de projetos, com aulas de perspectiva e desenho artístico e arquitetônico, assim como de técnicas de instalação e iluminação. As atividades extracurriculares também são frequentes. Prepare-se para visitar museus e exposições de arte, assistir a palestras e fazer pesquisas em bibliotecas. No fim do curso, as escolas costumam exigir um estágio ou uma monografia. 

QUAL É A DIFERENÇA ENTRE FAZER UM BACHARELADO E UM TECNOLÓGICO?
O bacharelado tem muitas disciplinas em comum com o curso de Arquitetura e Urbanismo e forma profissionais para atuar sobretudo com projetos, além da parte decorativa. Os cursos tecnológicos, por sua vez, são voltados mais para a decoração. Ao optar por um deles, preste atenção no foco do curso, que pode ser decoração e paisagismo ou design de móveis e ambientes.

Duração média: quatro anos. 

Outros nomes: Decoração; Decoração e Design; Design (decoração de interiores); Design (interiores).

O que você pode fazer

Desenho de móveis

Criar peças conforme as necessidades do cliente, adaptando-as ao espaço disponível.

Decoração e paisagismo

Cuidar da colocação de móveis e acessórios em ambientes residenciais e comerciais internos. Em áreas externas, usar arte e técnica para projetar, organizar e embelezar espaços com plantas e jardins.

Gerenciamento

Acompanhar a compra de móveis e acessórios, fazer orçamentos e contratar mão de obra.

Projeto

Organizar ambientes de acordo com as necessidades do cliente. Elaborar plantas e maquetes, indicando o estilo, as cores e a disposição de móveis e objetos no espaço.

Retirado dos sites: